A ação técnica e profissional dos policiais militares foi decisiva para salvar a vida de 39 pessoas que viajavam na manhã desta terça-feira (20/08) de São Gonçalo para o Rio de Janeiro. Durante mais de quatro horas, os passageiros foram mantidos reféns por um criminoso, que anunciou o sequestro quando um ônibus trafegava pela Ponte Rio-Niterói.

O drama do motorista e dos passageiros teve início às 5h25m. O criminoso portava uma arma e exibia uma garrafa plástica cheia de gasolina. O motorista foi obrigado a atravessar na pista o ônibus da Viação Galo Branco, que faz a linha São Gonçalo-Estácio.

Acionado pela Polícia Rodoviária Federal, responsável pelo patrulhamento da Ponte Rio-Niterói, o Comando da Polícia Militar mobilizou policiais militares de três unidades da Corporação – 12ºBPM (Niterói), Corregedoria e Rondas Especiais e Controle de Multidões (RECOM). Agentes da PRF fizeram o cerco ao ônibus.

Para libertar os reféns foram mobilizados o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), cujos policiais têm expertise para atuar nesses casos, e o Batalhão de Ações com Cães (BAC). O Grupamento Aeromóvel (GAM) realizou o monitoramento aéreo do perímetro.

Com a interdição da ponte nos dois sentidos, milhares de pessoas ficaram presas no trânsito, sem conseguir chegar a seus locais de trabalho. As atenções do país estavam voltadas para o ônibus atravessado na pista.

Foram três horas de negociações. Os negociadores do BOPE conseguiram convencer o tomador de reféns a libertar seis passageiros. Assessorados por psicólogos da unidade que também faziam parte da equipe, os policiais constataram que o criminoso estava cada vez mais fora de controle. Já havia espalhado gasolina pelo interior do ônibus e portava um isqueiro, conforme relato dos passageiros liberados durante a negociação.

Na primeira oportunidade, o criminoso foi alvejado por atiradores de elite do BOPE e os passageiros libertados. O criminoso ainda chegou a ser levado numa ambulância para o Hospital Municipal Souza Aguiar, onde veio a óbito. Além da gasolina e do isqueiro, ele portava um simulacro de pistola, uma arma de eletrochoque e uma faca.

– Seguimos os protocolos internacionais que regem nossas ações. Nessas situações de crise, nosso foco é preservar vidas. O criminoso teve inúmeras oportunidades de se entregar, mas estava em surto psicótico. Chegou a ameaçar se jogar na Baía de Guanabara junto com um refém – relatou o Comandante BOPE, Tenente-Coronel Maurílio Nunes, que comandou pessoalmente a ação.

Levado de helicóptero ao local do sequestro, o Governador do Estado, Wilson Witzel, acompanhou o final da negociação.

– Quando a situação estava sob controle, entrei no ônibus para me solidarizar e consolar os passageiros. Havia um cheiro muito forte de gasolina – contou o Governador durante a entrevista coletiva realizada no início da tarde no auditório do Palácio Guanabara.

O Governador agradeceu a Deus pelas 39 vidas salvas. Dirigiu-se ao Coronel Nunes para parabenizar os policias do BOPE e ao General Rogério Figueredo para enaltecer o desempenho de todos os policiais militares que atuaram na ação da Ponte Rio-Niterói como também pelo trabalho que a Corporação vem desempenhando em todo o Estado.