Os 26 policiais militares que participam do III Curso Auxiliar de Investigação e Perícia Criminal , ministrado pelo Centro de Criminalística (CCRIM) da Secretaria de Estado de Polícia Militar do Rio de Janeiro, ganharam um aliado importante no processo de aprendizagem. Nessa versão do curso, os instrutores passaram a utilizar os novos equipamentos adquiridos pela Corporação: o AFIS (Sistema de Identificação Automatizada de Impressões Digitais, na sigla em inglês) e o Comparador Vídeo Espectral.

– São instrumentos importantíssimos. O AFIS é um software que leva menos de um minuto para informar se uma digital pertence a um suspeito fichado na sua base de dados. E o Comparador é capaz de fazer uma avaliação precisa e rápida de documentos, constatando autenticidade de assinatura e outras características grafotécnicas – explica o Major Cláudio Perini, SubChefe do CCRIM e Coordenador do III CAuxIPC.

Destinado a praças, o III CauxIPC foi iniciado no final de agosto e se estende até o início do ano que vem, com aulas duas vezes por semana para que os alunos possam exercer suas atividades nas unidades onde estão lotados. Dos 26 alunos, 21 são da Polícia Militar do Rio de Janeiro, quatro são do Corpo de Bombeiros do Rio e um da Polícia Militar do Distrito Federal.

Os dois novos equipamentos que agregaram muita qualidade à prestação de serviço do CCRIM foram adquiridos pelo Gabinete de Intervenção Federal (gif) no passado e entregues este ano. Ambos faziam parte de uma lista de equipamentos montada na época da intervenção pelo Chefe da unidade, Tenente-Coronel Leandro Augusto Rasteiro.

Um terceiro equipamento de ponta que fazia parte da lista, o Sistema Automatizado de Identificação Balística, não pôde ser comprado por entraves burocráticos no período da intervenção. Com essa ferramenta, os peritos podem identificar com muito mais facilidade, rapidez e precisão se um projétil ou uma cápsula apreendido foi proveniente de uma das armas que fazem parte do banco de dados.

– Mas em breve o CCRIM contará com esse equipamento. Será comprado através de processo licitatório com recursos da nossa Secretaria de Polícia Militar – informa o Tenente-Coronel Rasteiro.