A respeito de notícias e comentários veiculados em meios de comunicação sobre o planejamento de segurança para a partida de futebol a ser disputada na noite desta quinta-feira (07/11) no Estádio Nilton Santos, no Engenho de Dentro, entre as equipes do Botafogo e do Flamengo, a Secretaria de Estado de Polícia Militar do Rio de Janeiro, vem a público esclarecer:

 

1) Como mandante da partida, o Botafogo de Futebol e Regatas tem a prerrogativa legal de decidir a partilha da carga de ingressos, ou seja, o percentual de bilhetes que caberá a cada torcida. A diretoria do clube optou em fixar 90% para os torcedores do Botafogo e apenas 10% para os torcedores do Flamengo.

 

2) Durante a reunião realizada no início da semana na Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ),  os representantes da Polícia Militar do Rio de Janeiro e do Ministério Público Estadual alertaram que o critério de partilha, embora dentro do regulamento, poderia impactar fortemente no planejamento de segurança, levando em consideração a motivação das duas torcidas para assistir à partida. O Flamengo vem liderando o ranking de público do Campeonato Brasileiro, com média superior a 50 mil torcedores por partida.

 

3) Os dirigentes do Botafogo foram alertados também que essa disparidade na motivação entre torcedores das duas equipes poderá motivar a infiltração de flamenguistas, descaracterizados, na área destinada aos botafoguenses, resultando, consequentemente, em confrontos nas arquibancadas. Os representantes da PM e do MP também alertaram para o fato de que a redução drástica do preço do ingresso seria um indutor a mais para a infiltração de torcedores. A possibilidade de infiltração, inclusive, já foi detectada e está sendo monitorada pelo setor de inteligência da Corporação.

 

4) As advertências foram em vão. Os dirigentes do Botafogo mantiveram-se irredutíveis, desprezando o conceito de que a segurança de um grande evento deve ser compartilhada entre todos os atores envolvidos – Polícia Militar, FERJ, clubes, Poder Judiciário, entre outros.

 

5) Diante da posição irredutível do mandante do jogo, aumentando bastante a complexidade do cenário, a Polícia Militar do Rio de Janeiro, através do Batalhão Especial de Policiamento em Estádios (BEPE), elaborou um planejamento além do que seria necessário para garantir a segurança de torcedores e moradores do bairro do Engenho de Dentro. O BEPE atuará com grande contingente na área interna do estádio. O planejamento prevê ainda o emprego de equipes do 3º BPM (Méier), do Regimento de Polícia Montada (RPMont), do Batalhão de Ações com Cães (BAC) e  do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq) para o policiamento no entorno da praça esportiva. O Grupamento de Polícia Ferroviária (GPFer) reforçará o policiamento na estação de trens do Engenho de Dentro.