Jorn Seixas, Dmitry Mikhailov, Sargento PM Gil e Ludmila Alem

Durante três dias, especialistas de renome internacional ministraram treinamento de atualização do Sistema de Identificação Automatizada de Impressões Digitais (AFIS, na sigla em inglês) para peritos do Centro de Criminalística da Secretaria de Estado de Polícia Militar do Rio de Janeiro.

As aulas, práticas e teóricas, foram proferidas de 10 a 12 de fevereiro pelos por peritos instrutores Jorn Seixas e Marcos Passagli, da Polícia Civil de Minas Gerais e representantes da empresa Teclab, e pelo expert da instituição norte-americana SPEX Forensics, Dmitry Mikhailov.

– Essa atualização possibilitará que nossos peritos estejam capacitados a explorar mais recursos que esse novo sistema oferece, como, por exemplo, a leitura e identificação da palma da mão de um investigado, além das tradicionais impressões digitais – explica o Tenente-Coronel Leandro Augusto Rasteiro, chefe do Ccrim da PM.

Adquirido no início do ano passado, como um dos legados da Intervenção Federal, o AFIS entrou em operação em maio e tem agilizado de forma expressiva o trabalho dos peritos do Ccrim. O software integrado ao AFIS identifica em menos de um minuto a digital de um suspeito fichado na sua base de dados. Pelo método tradicional, consultando ficha por ficha das bancadas, esse trabalho pode levar até três horas.

 

Para o subchefe do Ccrim e coordenador do  Curso Auxiliar de Investigação e Perícia Criminal (CauxIPC), Major Cláudio Perini, o treinamento de atualização realizado nesses três dias será também de grande valia para a área de instrução dos atuais e futuros peritos. Além da chefia do Ccrim, participaram da atualização a Sargento Joyce Gil, instrutora da unidade, e a pesquisadora e doutoranda em Papiloscopia Forense, Ludmila Alem, da UERJ, colaboradora do CauxIPC.

Unidade subordinada à Corregedoria da Corporação, o CCRIM foi criado há 30 anos com a missão de produzir laudos de inquéritos que apuram crimes militares, realizando perícias em veículos, armas, documentos, gravações de voz e de imagens, ou analisando substâncias químicas e biológicas. A dedicação de comandantes e peritos que passaram pelo setor ao longo desses anos transformou o CCRIM numa referência nacional na área de perícia criminal.