BPRv recolheu mais de 1.700 animais das estradas estaduais em 2017

A presença de animais de grande porte soltos nas rodovias do Rio de Janeiro representa um sério risco de acidentes. Somente no período compreendido entre janeiro a agosto deste ano, o Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) da Polícia Militar recolheu 1.709 animais nas estradas estaduais. Se levarmos em consideração que o BPRv não atua na jurisdição das rodovias federais, não é difícil imaginar que o problema é de extrema gravidade.

Os animais recolhidos são levados para currais de apreensões autorizados pela Superintendência de Defesa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro e lá ficam acautelados esperando pelo comparecimento do proprietário. O dono do animal deve pagar uma multa de R$150 a R$200 e diária que fica entre o valor de R$40 a R$50, dependendo do curral, e assumir o compromisso de que o animal ficará em local seguro. Caso o proprietário não apareça no prazo de 7 dias, o animal poderá ir a leilão, com a permissão da Secretária de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento e os valores cobrados são para custear as despesas com os animais, que incluem a identificação através de fotos e a realização de exames, além de vacinas e alimentações.

De acordo com o comandante do BPRv, Coronel Ricardo Bakr de Souza Faria, 56% dos animais recolhidos estavam soltos na malha rodoviária estadual subordinada à 5ª Cia do batalhão, que abrange os municípios da Região Metropolitana e Região dos Lagos, justamente onde é maior o fluxo de veículos, tanto em dias úteis como nos fins-de-semana. Nas rodovias dessas duas regiões, que cortam os municípios de Niterói, São Gonçalo, Maricá e se estende de Saquarema a Cabo Frio, foram recolhidos 954 animais nos primeiros seis meses do ano.
As demais companhias do BPRv apreenderam 755 animais: a 2ª Cia (entre Itaboraí e Nova Friburgo), 97; a 3ª Cia (Sul Fluminense), 414; e a 4ª Cia (Norte/Noroeste), 244 animais.